Archive

Archive for the ‘filha’ Category

hakuna ou hatuna?

Como nerd convicto, sempre tento dividir meus gostos com outras pessoas. Mau de nerd. Nerd que é nerd adora incomodar a todos com o que acha bom.

Filho de nerd é quem sofre mais. O pai interfere na escolha de brinquedos, livros, roupas, etc… “Quer uma dessas bolas? Leva essa aqui, ó, do Quarteto Fantástico!”, “Bexiga? Backyardigans é chato, olha essa do Homem-Aranha!”.

Bat-D

Bat-D

Com cinema é a mesma coisa. Quando a Srta. B era pequena, gostava muito de Castelo Ratimbum. Com dois aninhos, fomos ao cinema. Ficou quietinha, pra variar não deu trabalho. Do tempo de VHS, era viciada em Balto e Rei Leão. A fita do Rei Leão estragou de tanto ser vista. Arrebentou dentro do videocassete. Nessa época ganhou um Timão Pumba, o javali do filme.

Veio a Pixar, com seus filmes, e comecei o treinamento nerdização da Srta. B: filme novo? Pré-estreia + brinquedo + pré-venda de DVD = coleção em dia.

A Srta. B sempre gostou de ler e de ver filmes. De todo tipo. Hoje a adolescência privilegia comédias românticas e filmes de terror, mas compartilhamos bons filmes.

Agora com 2 aninhos, Sr. D entra na fase de loop infinito de filme preferido. Fica enfeitiçado por Toy Story. Pode ser o 2 ou o 3, o primeiro não serve. Se não tem o Bala no Alvo, não é bom. Tem que ter cavalo, Sr. D adora cavalos. Assistindo Spirit, ele quase entrou em êxtase.

Hoje o Timão Pumba da Srta. B está passando por maus bocados com o Sr. D. Ele cismou que o javali na verdade é um cavalo, e cavalga o bichinho pela casa toda. Se não está cavalgando, está sendo arrastado pela presa.

Pumba-pocotó, agora banguela, para tristeza da Srta. B

Pumba-pocotó, agora banguela, para tristeza da Srta. B

Em agosto, para delírio de toda a família, fomos convidados para assistir Rei Leão 3D. Aproveitamos minhas férias, e pegamos a sessão fechada às 10h da manhã.

Sr. D quietinho o filme todo, fora do seu padrão de comportamento. Quem não ficou, ou melhor, ficaram fora do padrão, foram a Sra. Paiéquemcria e Srta. D.

A nostalgia tomou conta das duas, que reproduziram todos os diálogos e canções do filme. Ainda bem que no fundo do cinema estava tranquilo, com as últimas fileiras vazias.

O filme parece ter sido feito para a experiência 3D. Abertura, musicais, cenas de ação, tudo contribuiu para que o filme ficasse ainda mais bacana. Não percebi nenhuma alteração no filme. Nada foi editado, a dublagem mantida. Recomendo o programa!

Sr. D e o Tocotocotá

Sr. D e o Tocotocotá: Pose pra foto

Só uma coisa que eu nunca entendi no filme: é Hatuna ou Hakuna Matata?

"Who cares, pai!? Fui!"

"Who cares, pai!? Fui!"

14 anos atrás…

Após uma longa espanada no pó desse blog, estamos voltando com uma novidade: um post da Sra. Paiéquemcria.

Precisei insistir muito para conseguir liberação para publicar essa mensagem, enviada originalmente para algumas amigas, na íntegra.

——–

Olá amigas…

“… amigos de sala de aula, conversa vai, conversa vem… namoro de 3 anos!

… menstruação atrasada, gravidez… resultado: Beatriz!! linda…

casamento, convivência, conhecimento, alegrias (muitas), tristezas (muitas), e a pequena Beatriz sempre do nosso lado.

Amadurecimento, discussões, trabalho, mais alegrias, mais tristezas, e a nossa pequena Beatriz acompanhando tudo quietinha, crescendo diante dos nossos olhos, sempre no seu mundo de fantasias…

5 anos, 7 anos, 10 anos, muita coisa aconteceu em nossas vidas…. o mundo não pára! (que bom!!)…

11 anos, 12 anos, 13 anos……….. 14 anos… ontem foi o primeiro Dia dos Namorados da minha filha!!!!!!! O fulano, digo, Danilo (muita coragem da parte dele) apareceu na minha casa procurando a “namorada” dele, com um embrulho nas mãos.Um presente…

Sempre ouvi essas coisas desde que me conheço por gente: um dia vc terá filhos e vai saber o que tô dizendo… vc é muito nova pra namorar…. tem que pensar em estudar…. cuidado com isso… cuidado com aquilo…

Ontem a noite me peguei chorando, pois é, chorando… e lembrando tudo o que sempre ouvi da minha mãe. Agora uso as mesmas palavras que sempre ouvi, não só da minha mãe como de tantas e tantas mães que existem (e que ainda serão) com a minha filha.

Mais… e aquela pequena criança que vi crescer (hehehe…..), deitando no meu colo, sempre me abraçando, meiga, carinhosa com todos, atenciosa…. agora com namorado???

Pôxa, será que o tempo passou e nem dei conta? É …. parece que sim… meu bebê cresceu….

Sei também o que sempre ouvi: Márcia, criamos os nossos filhos pro mundo…. péra lá, pro Mundo não, ela é minha!!!……………. tá bom, tá bom, doce ilusão… é pro Mundo mesmo!!!

O que me resta de agora em diante é pedir: Mundo, por favor, toma conta da minha pequena!! E do Danilo também….”

É isso… queria dividir mais um momento da minha vida com vcs!!

Bjs!!!

se eu pudesse entrar na sua vida

Já fui legal, esperto, inteligente, engraçado. Já fui herói. Várias vezes.

Fui conforto, carinho, amor.

Fui ausente, errado, bravo, rude, injusto.

Fui autoritário, imperativo, paternal, fraternal.

Fui orgulhoso, fiquei orgulhoso.

Algumas coisas mais, outras coisas, menos. Muitas ao mesmo tempo. E não necessariamente nessa ordem.

Agora, cada vez mais, sou espectador. A gente faz filho para o mundo, não pra gente.

Cada dia que passa, a canção faz mais sentido pra mim.

só para registro

Acordei essa madrugada às 2h30, com o telefone tocando. “Pai, tô chegando.”

Dormi no sofá (aguentei firmemente até 1h), esperando minha filha voltar do show do Black Eyed Peas, por que ela estava sem as chaves de casa.

É o começo do fim.

great scott!!

Existem momentos na relação pai e filho(a) impagáveis. Momentos de cumplicidade, únicos, que ficam na lembrança, e que você carrega pra sempre.

Uma canção, um carinho, um olhar. Tem coisas que tocam a gente e marcam. Quem não tem uma música que lembra uma pessoa? Eu tenho várias… E tenho algumas que me remetem a fases da minha vida.

E os filmes? Tem filmes que eu me recuso a ver de novo. Seja pela vergonha, seja pela lembrança do que vivia quando assisti o filme.

Mas tem coisas que você precisa ou quer reviver, como aquela deliciosa empolgação da infância, ao assistir um filme que te fez levantar da cadeira do cinema, ou, depois da sessão da tarde, sair correndo pela rua imitando seu herói!

Enfim…

Que legal que é assistir a trilogia “De volta para o futuro” com minha filha!! Muito bom!!

Devoramos a trilogia em uma semana. Inesquecível…

——-

A Srta B não saiu correndo pela sala, mas adorou os 3 filmes!!

a insistente, os relutantes e o desejado

Vem aí o Sr. D!! Finalmente, após 12 anos de espera, a Srta. B tem seus apelos atendidos!

Acho que nem os avós pediram tanto mais um netinho, do que a Srta. B pedia um irmãozinho… Foram muitas indiretas (e diretas também), manifestações públicas de indignação, reclamações. Algumas vezes até causava certo constrangimento para nós. Nos vimos obrigados a conversar com ela, e explicar o porquê ela teria que aguentar mais um pouquinho a solidão de ser filha única.

A Srta. B chegou a ponto de aparecer em casa, depois de um passeio em uma livraria com sua avó, com um livro chamado “Eu quero um irmãozinho!!” (Autora Editora). O livro conta a história de um menino que faz de tudo pra conseguir um irmão. Protestos com cartazes, birra, rega a barriga da mãe e até cria um amigo imaginário. Muito bom, com lindas ilustrações, foi uma das diversas ferramentas utilizadas por srta. B nos seus planos de conquista.

Hoje, na 34º semana de gravidez da Sra. Paiéquemcria, o clima em casa é de pura ansiedade. É ansiedade saindo pela janela, escorrendo pelas portas.

É por esses e outros motivos que o Sr. D é o “desejado”. Por seus pais, que após um aborto, estão tentando novamente (e conseguindo) levar uma gestação adiante. Por sua irmã, a “insistente”, por ser paciente e não desistir nunca. Um dia, espero, ela irá entender porque teve que esperar tanto.

Obrigado pela paciência, Srta. B.

Obrigado pela oportunidade, Sr. D.

Obrigado por tudo isso e muito mais, Sra. Paiéquemcria!

Amo vocês.